domingo, 19 de julho de 2009

Crítica: Validuaté - Alegria Girar

Alegria Girar, segundo álbum do Validuaté, é mais uma prova do cuidado do grupo para com sua carreira. Tudo foi pensado nos mínimos detalhes e, ao fim, sobrou um legítimo épico musical. De pronto, um dos melhores álbuns do ano, certamente “O” álbum piauiense do ano! Cheio de detalhes de produção, um projeto gráfico excelente, músicas bem amarradas entre si, participações especiais e MUITAS referências externas.

Ainda me lembro do primeiro show que vi do Validuaté e lembro que gostei de cara. De lá pra cá, a banda evoluiu bastante, musicalmente e profissionalmente. Alegria Girar é um legítimo resultado dessa curva ascendente e um franco sinal de que tem mais de onde esse veio! As melodias, arranjos e, principalmente, letras, trazem sempre algo mais, que você pode chamar como quiser, eu chamo profissionalismo.

O primeiro brinde vem na própria capa, bem como todo o projeto gráfico, ou, como diria o Arnaldo Antunes: “já arrasou só na capa” (não é Thiago E?)! Assim como em seu antecessor, Pelos Pátios Partidos em Festa, a capa referencia às músicas, em Alegria Girar, entretanto, esse intento é atingido de modo eficacíssimo (obrigado Nelson Rodrigues), com a arte de Babu Souza e as fotos de André Leão.

Passando ao que interessa, que é a música. O disco abre com um trecho do quarto dos Sete Poemas Portugueses:
Caminhos não há
mas os pés na grama
os inventarão
Aqui se inicia
uma viagem clara
para a encantação
Recitado pelo próprio autor o trecho já dá o tom do disco: encantação! As letras em tom de fábula de Thiago E trazem essa atmosfera ao disco, assim como as letras de Quaresma trazem-lhe o apelo radiofônico que ele precisava pra ser um grande trabalho. O Hermeto e o Gullar é uma das músicas/fábula do disco, mais uma homenagem do Validuaté a seus “pais” musicais, assim como Superbonder dizia “ei mãe, quando eu crescer eu quero ser o Jorge Mautner”, essa música fala carinhosamente dos defeitos de cada um e dos seus ídolos, sem falar na Macumbeira da Cara de Peixe com fama de arranjo com o oculto e o bonito texto escrito por Lirinha (Cordel do Fogo Encantado) para completar a aura “fabulosa”.

Eu Só Quero Acabar Com Você é um legítimo “bregão” dor-de-cotovelo, nascido de uma legítima dor-de-cotovelo. Lembro-me de quando Thiago E a compôs e gravamos (Thiago, Viviana, GLeiSon, Narcí5io e eu) uma versão “mesa de bar” disso. É mais uma música pra rir e “chorar” na qual todos nos encontraremos: “partiu com aquela pessoa ‘paia’, partiu com uma pessoa mais feia do que eu!”. Se por um lado nas versões “originais” Eu Só Quero Acabar Com Você tinha um quê maniqueísta digno de João Gilberto (“Eu só quero acabar com você, eu só quero acabar com você...”), nesse álbum a música se encaixa tão perfeitamente com as outras músicas que seria um crime chamar o João Gilberto quando o Zé Quaresma pode citar impropérios tão terríveis quanto “tomara que sempre chova em todas as tuas festas, tomara que tu tropeces em todas as pedras”.

Seguindo-se a essa, Plaina Maravalha é uma graça, apresentando essa moça Plaina Maravalha, uma femme fatale, tal como a Theda Bara referenciada na música, do século XXI. Nessa música fica evidente a influência da literatura na música e no fazer musical do Validuaté, quantas bandas você já ouviu por aí falar de Anton Tchekov?

A Onda é um grande presente ao ouvinte... sabe todas as regras da boa música pop? Estão lá, personificadas numa numa balada dessas de se “dedicar” a alguém. Refrão pegajoso e tudo o que precisa pra uma boa música de rádio (no melhor sentido da expressão). Linda e simples, “uma onda assim me carrega pra onde quer”. Quaresma já tinha demosntrado no Pelos Pátios... um grande talento pra esse tipo de composição, com músicas como Ela É e Essa Moça, mas A Onda é certamente o ápice desse talento, com todos os méritos merece ser uma das “músicas de trabalho” do álbum. Birras é mais uma da baladas bem sacadas do Quaresma, que com a influência da literatura compõe letras muito mais interessantes que a média desse tipo de música, mas que devido o brilhantismo de canções como A Onda acabou se perdendo no disco, sendo seu momento mais fraco (afinal, tudo é cíclico, nada pode ser um ápice infinito e no meio de tanta coisa boa algo tinha que ser menos). Ainda assim muito bom!

Trazendo de volta à atmosfera épica do álbum, a vinheta Didascália ajuda-nos a compor a peça, introduzindo à bonita Não Quero Te Agredir. Que é mais um brinde aos ouvintes de Teresina, fazendo referêcia direta a uma questão cultural daqui: “tome este vale e vá pra Timom”, uma pena que a maioria dos que não for daqui não vai entender a piada. Assim mesmo, é uma maravilha ouvir o Validuaté continuar fazendo uma das coisas que os torna legitimamente uma banda que representa a nossa cultura. É muito bom quando você ouve termos tão particulares de sua cultura numa música por exemplo.

A Lenda do Peixe Francês é certamente o momento de maior encantação do álbum. Merece um clipe em animação ou algo assim. É de uma sutileza e delicadeza poética ímpar até pro Validuaté (e isso não é pouco, vindo de uma banda que compôs coias tão delicadas quanto O Mar e o Pano e Um Guarda-Chuva Laranja). O ator e dublador Isaac Bardavid faz uma participação com sua “voz de trovão” (a voz Wolverine!), arrematando brilhantemente a fábula do peixe francês. Essa aura certamente não seria atingida sem a bateria dinâmica de John Well e o baixo preciso de Wagner.

Seguindo o peixe, temos aquele que provavelmente seja o momento mais especial do disco. Eu Preciso de Você, regravação do sucesso de Márcio Greyck. Aqui Quaresma demonstra todas suas qualidades de cantor naquela que é possivelmente a mais brilhante de suas interpretações e o Validuaté respeitosamente supera a gravação original de Márcio Greyck, transfomando a música numa trip music de primeira, bem ao estilo "peguei meu carro e caí na estrada". Nenhuma pirotecnia foi usada aqui e a música foi mantida tão simples quanto a original (ou até mais!). Os agudos limpos e precisos de Quaresma, junto com as pontuações aqui e ali da guitarra (Vazin ou Jr. Caixão?) e a citação de Sentimental (Rodrigo Amarnte) são uma homenagem e tanto. Bonito seria ver um dueto entre Márcio Greyck e Validuaté de Eu Preciso de Você!

Teresina, de Aurélio Melo perdeu seu posto como música de homenagem a cidade mais bonita que conheço. União, cidade natal de metade da banda é cantada em Cortesia com tanto amor que é impossível não se emocionar. Cortesia não é uma música recente, esteve no disco demo do Validuaté, mas em Alegria Girar o arranjo deu-lhe proporções totalmente novas.

Zéu Britto é certamente um dos cantores/atores mais expressivos, talentosos e afetados da geração atual (assistam ao vídeo!!!) e sua atuação em Bruta Como Antigamente faz jus a tudo isso. O contraponto de sua voz grave, pesada e suja com a leveza dos agudos de cristal de Quaresma são um deleite. Um voando sobre a cidade e outro se arrastando na sarjeta. Muito bom! A música me fez lembrar o incrível Secretária, devido à natureza S&M da letra. A propósito: Imagem Filmes, por que Secretária está fora de catálogo? Um filme precioso e valioso como esse TEM que continuar disponível!!! (Eu felizmente tenho o DVD... santo Mercado Livre...)

Fechando o disco, Alegria Girar dá nome ao álbum. Um rock vigoroso como Mundo Multidão Mil, que abria Pelos Pátios... nos diz que "já é tempo de sair do lugar". Alegria Girar (a música), relembra que Thiago E é devoto de São Arnaldo Antunes (é impossível não ouvi-lo em músicas como Céu%)... Ao fim, depois de Alegria Girar, uma surpresa nos aguarda...

Alegria Girar (o álbum) é sensacional, e se você é fã da banda e suas expectativas se restringem ao que já foi feito em Pelos Pátios..., Alegria Girar as supera em muito e vai ser um absoluto deleite... O lançamento do disco será feito neste dia 23, às 19hs e o Helvetica12 VAI cobrir!

__UPDATE__
A Banda está lançando o Concurso "Eu Vi a Alegria Girar!":

Caríssimos amigos que nos acompanham pelos palcos partidos em festa. Já é tempo de sair do lugar! Você quer participar desse momento vivido pela banda de uma maneira mais intensa, e não sabe como? Seus problemas acabaram!!! Está lançado o concurso "Eu vi a Alegria Girar"! Vá ao show de lançamento no dia 23, no Teatro 4 de Setembro, e leve consigo sua filmadora (pode ser emprestada mesmo, não tem problema...), câmera fotográfica digital, celular e grave trechos do show, música inteiras, o show inteiro se quiser. Fique à vontade para captar toda a alegria dessa noite: um detalhe, um sorriso da pesoa ao lado, uma expressão, um gesto, uma imagem, a energia do show, tudo ou só o que você viu. As melhores imagens serão incluídas no DVD promocional do show Alegria Girar, e os autores dessas melhores imagens ganharão um kit validuaté. (Mais detalhes muito em breve). O material deve ser encaminhado (em DVD), até o dia 30 de julho para o seguinte endereço:

Bumba Records Master Studio
Rua Coronel Cezar 1233
Morada do Sol
CEP 64056-470, Teresina-Piauí.

A seleção das imagens começa logo em seguida e o sesultado será conferido em primeira mão pelos vencedores. A lista com os nomes dos participantes vencedores sairá em nosso blog (http://validuate.blogspot.com) até o dia 7 de agosto. Participe! E faça parte dessa história. Abraços fraternos e enormes a todos.




PS: No site da banda, você pode conferir trechos de todas as músicas: validuate.com

8 comentários:

airlon disse...

aguardo ansiso pelo dia 23, estarei lá; de antemão o que é certo, de fato, é o cuidado primoroso com o material gráfico, super bem produzido (palavras de um diretor de arte). As participações também são um brinde à parte, mas prefiro esperar para comentar algo após conferir, e provavelmente desfrutar, pessoalmente o som. Saudações musicais...

APS

dane_ly disse...

Oi, Felipe tudo bem!? rs
coloca no site da validuaté o concurso "eu vi a alegria girar". tem um texto que o quaresma fez e colocou na comunidade oficial do orkut. vamos divulgar esse concurso né!? rs
Obrigada!

ah! lindo texto! lindo texto!

p.s. adoro tua mãe! kkkk

Xêru!

L.H. disse...

Oi. Descobrindo hoje isso aqui.Bom hein!
Muitooo curiosa em saber de quem é projeto gráfico, alguem pode dizer aí? pode?pode?pode?

L.H. disse...

ou melhor, nao ficou claro né....quero saber onde vejo...acho e falo com o Babu!
(rs)

falow!

Equipe Helvetica12 disse...

L.H.,

Babu Sousa: 86 88014694
André Leão: 86 99916105

Esses contatos constam no encarte do álbum (para não dizerem que estamos divulgando dados de ninguém indevidamente... rs)

Um abraço e volte sempre!

amaral disse...

belíssimo trabalho, dede o projeto gráfico.que luxo estético! tava precisando ouvir algo assim, feito por gente assim, que sabe mais do que nós. sempre aprendo quando ouço essa rapaziada. me SINTO de novo quando ouço o quaresma, encontro algo que tava perdido, o thiago é o que poderiamos ter sido e não fomos, por que nos faltou fôlego. valeu manos. muito oportuno, danilo, me empresta ai a tua antena.

amaral disse...

desculpe, esse PORQUE, é assim, rapaziada. a senilidade é a mãe da ignorância.

Netto Carvalho disse...

Olá Philipe, tudo bom?
Já tinha lido esse seu belo artigo antes, mas "googlando" agora, algum tempo depois, esbarrei com ele novamente e resolvi reler, só que agora o efeito foi outro. Por quê? É bem diferente ler uma crítica antes e depois de conhecer (e bem) o material em questão, agora entendi e concordei com cada palavra. Parabéns por conseguir expressar tão bem todos os detalhes dessa obra-prima.

Postar um comentário

Os comentários publicados neste blog usualmente não são, mas podem ser, moderados.
Portanto, seja educado, procure manter-se no assunto da postagem e, por favor, MIGUXÊS NÃO!!!
Tem um blog ou site e quer aproveitar pra fazer seu jabá? Sinta-se à vontade, tanto pra isso quanto pra nos divulgar em seu site! ;-)
Tem alguma mensagem para os autores do blog? Envie email para:
bloghelvetica12@gmail.com